O Pirifome é um músculo localizado abaixo dos pequenos músculos dos glúteos e essa síndrome é uma condição bastante dolorosa ao paciente, uma vez que a inflamação do Piriforme comprime o nervo ciático e causa dores similares a pontadas nos glúteos e pernas.

A Síndrome do Piriforme pode parecer uma condição rara, no entanto, ela é muito mais comum do que se pensa e causa extremo desconforto e limitação de movimentos ao seu portador.

O Pilates, como você já deve ter imaginado, é um excelente exercício tanto para prevenir quanto para aliviar os sintomas dessa doença.

Como ela é bastante comum em atletas que treinam com carga excessiva, corredores e, até mesmo, pessoas que caminham bastante, o Pilates pode atuar na prevenção por meio de exercícios que envolvam os músculos do quadril e mobilizem a região e as pernas.

Ficar sentado por muito tempo também colabora para intensificar as doenças e as dores. Por isso, o Pilates aparece novamente como uma forma de movimentar o corpo, alongar os músculos e promover maior flexibilidade.

Para os pacientes que estiverem em reabilitação para tratar a doença, a metodologia permite o retorno aos esportes e à vida normal com menos dor e maior qualidade nos movimentos. Trabalhar a flexibilidade e força nos membros inferiores é fundamental nesses casos.

Não esqueça de sempre fazer uma avaliação de seus alunos e montar uma série de exercícios que respeitem os seus limites e condições físicas.

Com muita atenção e a sequência correta de posturas, o Pilates tem o poder de proporcionar mais qualidade de vida para quem sofre da Síndrome do Piriforme!

Compartilhar: